Importação de produtos sofre mudanças de paradigmas

Já faz bastante tempo que nós escrevemos um post sobre sobre como proceder na importação de mercadorias. Naquela época as dicas de importação consistiam em importar em pequenas quantidades e em vários pacotes vindos do exterior. Nesse processo tínhamos maiores fretes, porém isso compensava-se com menos imposto. Muita coisa mudou desde então, tem-se vivido tempos de intensificação de tributação. A Receita Federal não mais se atenta no fato de seu pacote ser pequeno ou não, ou ainda, se o valor declarado é baixo ou não. A chance de tributação atualmente gira em torno de 80%, na maioria dos casos. Então, se a chance de tributação é muito alta, o que devemos fazer? Confira neste post algumas dicas do Importar Tudo.Há bastante tempo citamos algumas dicas para aqueles que desejavam comprar algo no exterior. Nossas dicas consistiam em:

  1. Enviar em uma caixa pequena. Ter pouco volume para não chamar muita atenção.
  2. Escolher fretes que não fossem do tipo courier, para ter a chance de não ser tributado.
  3. Enviar de pessoa física para pessoa física.
  4. Se preparar para a eventualidade de pagar o imposto.
  5. Usar redirecionador de encomendas.
  6. Evitar produtos muito caros e volumosos.
  7. Não importar produtos usados ou refurbished.
  8. Não cometer crimes, declare o real conteúdo e valor da encomenda.
  9. Aproveitar as épocas de muito volume de encomendas para fazer a sua também.
  10. Fique sossegado e saiba que tudo depende da sorte, pois a tributação é feita por amostragem.

Se você quer ler o artigo na íntegra, clique aqui. Mas saiba que algumas dessas dicas não valem tanto para os dias atuais.

Em recente matéria, publicada no ESTADÃO, vemos a crescente demanda por receita que o país está vivendo. Esse fato está colocando em xeque até as famosas importações presentes, conforme se vê na parte da matéria transcrita abaixo:

Pressionado por empresas que sofrem com a concorrência de produtos importados e pedem igualdade de condições para competir, o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) propôs que o governo federal taxe todas as encomendas vindas do exterior, incluindo os presentes.

Em reunião com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, na última quinta-feira (28), o ministro Marcos Pereira, do MDIC, sugeriu que as importações inferiores a U$ 50 passem a ser taxadas, mesmo que não envolvam pessoa jurídica na venda. Essa mudança seria feita com urgência, por meio da edição de uma Medida Provisória. “Recebemos a demanda do setor produtivo e essa é uma medida que ainda aumenta a arrecadação federal”, disse Pereira ao Estado.

Atualmente, as remessas internacionais de mercadorias entre pessoas físicas no valor de até US$ 50 ingressam no País sem pagar impostos incidentes na importação (Imposto de Importação, IPI, Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins). A proposta do MDIC é que esse valor seja zerado.

A demanda do ministério leva em consideração que muitas empresas estrangeiras utilizam essa brecha na tributação, criada para permitir o envio de presentes por pessoas que vivem no exterior, para vender a consumidores brasileiros sem pagar impostos. Para isso, enviam as mercadorias como se fossem pessoas físicas. Assim, produtos importados acabam chegando ao consumidor com uma carga tributária menor que aqueles fabricados no Brasil.

Sendo assim, novas estratégias e novos caminhos merecem ser propostos. Isso é o que o Importar Tudo pretende fazer, ajudar a você a importar melhor. Comprar no exterior sem muita dor de cabeça.

Dicas novas de importação é aqui no Importar Tudo

O Importar Tudo deseja que nossos leitores tenham bastante sucesso em suas importações. Sendo assim, daremos mais dicas de como realizar suas compras no exterior. Para melhor compreensão das novas dicas para importar mercadorias, mantenha em mente a porcentagem do risco de uma encomenda ser tributada (cerca de 80%).

Se você prestou atenção na matéria acima, deve ter percebido a seguinte fala:

Pressionado por empresas que sofrem com a concorrência de produtos importados e pedem igualdade de condições para competir

Ora, se as empresas nacionais estão preocupadas com a competição com os produtos estrangeiros, então é porque vale a pena importar. Os preços lá no exterior estão mais em conta e nós queremos, e iremos, importar.

Então como podemos fazer as nossas importações, de forma eficiente? A seguir você verá dicas simples de como diminuir os riscos de ser tributado (ou “taxado”).

Pontos importantes na importação

Em primeiro lugar: deixamos claro que a intenção aqui não é cometer nenhuma ilegalidade. Não queremos que você, por exemplo, declare quantidade ou qualidade diferentes do pacote que será enviado. A intenção com esse post é aconselhar pelas formas mais eficientes de importação.

Segundo lugar: use redirecionadores de confiança. Nós do Importar Tudo já publicamos matéria relacionada ao assunto, se deseja lê-la clique aqui. Os redirecionadores podem te economizar um bom dinheiro retirando logomarcas dos pacotes, deixando o pacote mais compacto e etc.

Terceiro lugar: No post anterior do Importar Tudo, a dica era fazer várias importações ao invés de uma grande. Entretanto, as coisas mudaram. Saiba que, como já foi dito, a chance de um pacote ser tributado é cerca de 80%. Sendo assim, faça consolidação de pacotes para pagar menos frete. A consolidação de pacotes é feita pelos redirecionadores. Caso não tenha ouvido falar nisso, o Importar Tudo explica para você. Funciona assim:

O redirecionador recebe sua encomenda normalmente no armazém dele. Em seguida, começa a contar os dias de armazenamento gratuito. Ao invés de enviar esta mercadoria sozinha, realize mais compras e espere com que elas cheguem até o armazém. Feito isso, quando as outras compras chegarem, ele pega todos as mercadorias e as coloca em um pacote só. Com isso pode-se economizar um bom dinheiro com os valores dos fretes que deixaram de ser pagos. Alguns redirecionadores cobram por esse serviço, nós recomendamos a Shipito. Fazemos isso por sua excelência, preço e segurança. Afinal o redirecionador vai abrir sua caixa, ver suas mercadorias… tem de confiar.

Quarto lugar: O preço e o tipo do frete influencia no risco de ser taxado. Quanto mais barato o frete for, menos chance ele tem de ser tributado.

Tio, então se eu escolher frete grátis, eu não serei taxado, certo?

Não é bem assim. Apesar do frete ajudar ou atrapalhar, ele não é o fator que decide, quem faz isso é a sorte. Apenas não envie por empresas tipo courier (FEDEX,TNT, DHL e etc.) que você ficará bem.

 Quer ainda mais dicas de importação?

Quinto lugar: Desta vez uma dica mais prática. Seja genérico. Por exemplo, vamos supor que esteja importando roupas da Ralph Lauren e um relógio Invicta, produto muito visado e caro. Peça para o redirecionador colocar na declaração algo como “Watch and clothes“. Com certeza será melhor que declarar: “Ralph Lauren clothes and Invicta Watch“.

Se você for “taxado” em uma mercadoria que não merecia ser tributada, você pode entrar com um pedido de reexame. Esse pedido de reexame demora cerca de 20 a 30 dias e é bem simples de se fazer. Caso se sinta injustiçado por ter importado dentro do limite de 100 dólares, recomendo a leitura do post sobre o assunto. (Compras abaixo de 100 dólares não podem ser tributadas).

Recapitulando tudo

  1. Não cometa crimes. Declare o valor e quantidade real.
  2.  Use a Shipito como redirecionador;
  3. Consolide pacotes e pague menos frete. O custo benefício vale a pena.
  4. Opte por fretes mais baratos. Fuja dos fretes expressos de empresas courier.
  5. Seja genérico ao preencher a declaração de importação.

Espero que tenham gostado, até a próxima no Importar Tudo. Forte abraço!